quinta-feira, outubro 18, 2007

“O MONTE DA ILUSÃO”

Enquanto subi o monte, pela vereda estreita
Ladeado de arvoredo viçoso com o sol à espreita,
Deixei meus sonhos a correr, esperançosa
Que ao chegar ao cume minha alma ditosa,
Iria encontrar a felicidade do teu abraço…
E subi. Subi lentamente, com o sonho no regaço.

Mais dois paços e finalmente o penhasco cimeiro
E sorrindo, idealizei que chegavas primeiro…
A tua mão seria o apoio para transpor o monte,
Saciarias a minha sede como água pura da fonte
Mas o coração bateu forte em convulsão…
Porque penosa e dura foi a desilusão…

Para o outro lado do monte apenas o vazio.
O inóspito e seco precipício, já sem rio
E eu tão só, olhando todo aquele horizonte,
Que imaginara belo, o outro lado do monte…

Todas as flores secaram. Todas murcharam
Todas as aves voaram e seus trinados calaram
Tão só, no alto do monte, apenas abandonada
Meditei e cheia de dor concluí que não sou nada…


18.10.07

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger Alvaro Gonçalves Correia de Lemos said...

Boa noite meu lindo querubim,

Que bom voltar aqui e sentir o cheiro de tão belas palavras, de sentimentos emboratristes e melancolicos, nos trazem um pouco de ti, desse ser maravilhoso que aos poucos vou descobrindo.
Obrigado, meu anjo.
Beijos em teu coração.

12:19 da manhã  

Publicar um comentário

<< Home


Free Hit Counter