domingo, outubro 14, 2007

MAT’S E AMOR


O amor devia ser um cubo – lados iguais.
Mas o amor é um polígono irregular
E a soma dos lados nunca é mais…
Porque tem sempre um verbo a conjugar…

O amor não devia ser como as diagonais
Nem uma raiz quadrada para achar…
Muito menos a avaliação de triângulos iguais
Ou equações com o valor X a encontrar…

Mas o amor está ligado às letras
Por isso, sobre o amor se escrevem tretas
E ninguém o assume ou o leva a sério…

Aqueles que amam nunca são reconhecidos
E pensa-se em cobranças ou bens imerecidos
Sofre-se, desespera-se e pensa-se que é mistério…



02.10.07

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger jorgeferrorosa said...

Interrogo-me acerca do amor e penso no que devia de ser, mas não é. E porque devia de ser? Tinha de ter os lados todos iguais? O amor tem tudo e nada. Tudo se diz sobre o amor e não chega! Nunca o entendi e quando me propus a tal, fiquei doente. Por isso... não estou nessa onda. Fórmulas? Nunca funcionam... matemática ou letras? Nada. Cobrança? Piora tudo. Então, se pelo amor se sofre e desespera-se... prefiro não querer isso. Quem ama tá sempre lixado, anda numa inquietação constante. E isso já chega. Cansei dessas tretas todas do amor... isso era a Florbela Espanca. Ah, mas a Joaninha tem algo dela. Nota-se nestes escritos. Mas tudo bem.
Bem, a noite caiu e eu por aqui na cuscuvilhive dos blogs. Ai ai ai
Beijinhos e força
da Alma

11:17 da tarde  

Publicar um comentário

<< Home


Free Hit Counter