quinta-feira, outubro 16, 2008

DEDICAÇÃO INCONSEQUENTE

Enquanto as tuas palavras são bálsamo,
Que como divino unguento aplico
Nas feridas da minha alma solitária,
Tu esqueces até o meu olhar…
O meu sorriso
Ou até o gargalhar…
As tuas palavras são um alimento;
São a chama do amor que te dedico…
São uma melodia a embalar o pensamento
Em todos os momentos, para recordar…

As tuas palavras são terras a desbravar,
São astros num universo desconhecido,
São o que em mim resta da vida…
E o nada é o que apenas está definido…


16.10.08
(no comboio – 13H13)

Etiquetas:

1 Comments:

Blogger Jane said...

um beijinho amigo!

10:50 da tarde  

Publicar um comentário

<< Home


Free Hit Counter