sábado, outubro 17, 2009

CREPÚSCULO


Como labaredas lambendo a paisagem

A hora crepuscular pintou o céu de alaranjado

Escondeu-se o sol qual disco enorme e dourado

Mergulhando no mar distante para a sua viajem…


Ao crepúsculo brota a inspiração ante a imagem

E com os olhos semicerrados oiço-te meu amado

No teu cantar tão doce e sempre apaixonado

Deixando-te no horizonte como uma miragem…


Maravilhoso pôr-do-sol, divino e sem igual

Meu corrupio desordenado para o abismo fatal

Minha vida sem vida na tarde crepuscular…


Meu sonho perdido na noite-dia, ao sol-posto

Correndo para a arriba para aí deixar meu gosto

Pelo perigo que me atrai por não poder te amar…



17.10.09

Etiquetas:

2 Comments:

Blogger Paula Raposo said...

A partir do primeiro terceto, a partir de corrupio...achei demasiado violento. Gosto, claro que sim, a poesia é isso mesmo, um estado de alma...mas calma!! (rimei, mas foi sem querer...).
Daqui te beijo.

7:18 da tarde  
Blogger LUA DE LOBOS said...

TENHO-TE ABANDONADO INDECENTEMENTE ... ANDO MEIA MALUCA COM O LANÇAMENTO DO MEU LIVRO ...desculpa!!!vou-te telefonar ao fim datarde e depois conto-te porque isto tem sido uma odisseia::((
continuas a fazer excelente poesia e eu sem comentar....sou uma ingrata xi muito apertado
milêna

3:24 da tarde  

Publicar um comentário

<< Home


Free Hit Counter