segunda-feira, março 23, 2009

DE SUBITO!

A maçaneta rodou!
De súbito vivi.
Docemente brotou luz brilhante:
Nasci para ser eu
Alma que ao viver vibrou
Porque escreveu…
De súbito mulher amante
Mulher lutando pelo mundo seu,
Que também chorou…
De súbito escureceu
E a poesia em voz cantante
Foi o sopro da vela que ardeu…
Mulher que muito amou,
Aquela mesma que fui eu…
A maçaneta rodou!
A mulher que fui e já não sou,
De súbito, inesperadamente,
Morreu…

23.03.09

Etiquetas:

3 Comments:

Blogger Maria Clarinda said...

lindo, muito lindo o teu poema!
Vamos FORÇA!
Jinhos de ternura no teu coração.

8:59 da manhã  
Blogger LUA DE LOBOS said...

nÃO MORREU COISISSIMA NENHUMA... TÁS PARVA OU QUÊ?
AI MULHER QUE O TEU NÓ CEGO DEU MAIS UMA VOLTA...
vou ligar-te já
bjokas

10:13 da manhã  
Blogger Kafka said...

Quem escreve assim não morreu. Nunca morrerá.

10:57 da tarde  

Publicar um comentário

<< Home


Free Hit Counter