sexta-feira, setembro 11, 2009

MAIS UM DIA

Dia cinzento

Sol escondido

O rio vai lento

E pardacento

Outonal

Dia desigual

Sem brilho

Outro dia…


Cinzento mas não frio

Entristecido pela bruma

Que como véu, cobre o rio

Como a espelhar o céu…


Empoeirada a minha recordação

Imagina o que o olhar não viu …



11.09.09

4 Comments:

Blogger Nuno G. said...

muito bonito este poema outonal...

(www.minha-gaveta.blogspot.com)

8:03 da manhã  
Blogger jorgeferrorosa said...

Que diz, e neste dia já lá passaram tantos dias que as torres gemeas foram abaixo. Recordo com um aperto no coração, quase uma vontade de chorar.
Ainda não chegou o Outono, mas está para vir. Compreendo a dor, a tristeza e a imaginação trasporta-nos para outros níveis. Fiquei preocupado consigo e ainda estou bastante depois de tudo aquilo que me disse. Faltou-me o fôlego. As recordações também apagam e lentamente tudo desaparece. Isto doi muito muito mesmo. Desaparecem os amigos, ou pelo menos aqueles que pensavamos ter.
Bem, mas a minha amizade tem para sempre. Desculpe, mas estou triste. O poema está lindo, super lindo.
Beijinhosssss
do Jorge

12:28 da tarde  
Blogger Paula Raposo said...

Um doce poema...beijos.

10:25 da tarde  
Blogger Ximbitane said...

Vim e gostei, Joaninha

8:32 da manhã  

Publicar um comentário

<< Home


Free Hit Counter